Não há como escapar

Quanto mais eu corria, mas eu tinha a sensação que aquilo estava me seguindo. Eu não podia mais correr.
A exaustão era imensa e minha mente implorava por repouso.
E eu podia afundar no mais profundo dos oceanos e não morrer, que aquilo me seguiria até o fim.
De fato, não era a Morte. Era algo pior. Era uma coisa que não escolhíamos sentir, muito menos ter.
Nem a natureza podia compreender tal força. Tão avassaladora, tão surpreendente e fantástica. Um verdadeiro leque de dúvidas. A razão das maiores decepções.
E na verdade, todo mundo na vida já ouviu falar dela...
Ela é e sempre será a paixão.



1 opiniões:

Miriam disse...

Guilherme Espinosa está de parabéns!
Ele é inteligentíssimo, talentoso, o sucesso te espera garoto!!!

Postar um comentário